Pesquisar este blog

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Gay Talese: "Jornalismo é como sedução"




Jornalismo é como sedução, diz Gay Talese

Nome fundamental do ofício no século 20, repórter veterano falou em São Paulo sobre seus métodos de trabalho

No país para Congresso Internacional Cult de Jornalismo Cultural, americano fez ontem palestra na Folha
IVAN FINOTTI
DE SÃO PAULO

Para o jornalista americano Gay Talese, o repórter é um sedutor que conquista seus personagens como um vendedor convence a clientela.

Talese, 80, ilustrou bem o que quer dizer, ontem, em uma palestra de uma hora e meia para jornalistas na Folha. No encontro, contou histórias de suas reportagens, como "Frank Sinatra Está Resfriado", e comentou seus métodos de trabalho.

Sem celular, notebook ou tablet, Talese anda com pequenos cartões para escrever o que vê ou precisa saber.

O veterano, que veio ao Brasil participar do Congresso Internacional Cult de Jornalismo Cultural, é considerado pai do "new journalism" (novo jornalismo), ou jornalismo literário, caracterizado por reportagens que se apropriam de técnicas da ficção.

É autor de livros como "O Reino e o Poder", sobre os bastidores do "New York Times", "Honra Teu Pai", sobre uma família de mafiosos, e "Fama e Anonimato", que reúne diversas reportagens.

Filho de um alfaiate de origem italiana, mostrou-se elegante como sempre, de paletó, colete e sapato verdes, e gravata amarela. Na cabeça, um chapéu branco, o único que trouxe para o Brasil. "Em minha casa, tenho 30", contou. Leia trechos a seguir.


LITERATURA

Quando era um menino na escola, lia contos, pequenos romances, e fiquei interessado nas narrativas. Mais tarde, me perguntei se eu poderia contar histórias, mas não com personagens imaginários, e sim reais. Não queria ser um repórter, mas contar histórias. Não precisava usar a imaginação, mas sim passar tempo com as pessoas.

Pessoas nem sempre contam a verdade. São cuidadosas, pois não conhecem o jornalista. Eu queria conquistar a confiança delas. E como fazer isso? Aos poucos.

Você conhece alguém na rede social, sai, almoça, passeia e ficam íntimos. Há um paralelo com o tipo de jornalismo que faço. Às vezes, nós, jornalistas, somos sedutores. E não quero ser o sedutor de uma noite só, mas sim um parceiro de uma relação.

JORNALISMO

Eu acho que jornalismo pode ser uma forma de arte.

Estudantes de jornalismo estão sempre reclamando que não têm emprego na área. Quando comecei, eu pegava sanduíches para o pessoal. Era o jeito de entrar.

Quem reclama que não tem tempo para um bom trabalho precisa arrumar esse tempo. Você não deve ser um repórter como qualquer outro. Tem que ter perseverança, ego e até arrogância.

Muitas vezes você escreve sobre pessoas famosas e não pode se sentir diminuído, como se estivesse falando com alguma pessoa extraordinária. Por isso, desde jovem me sentia importante.

LIÇÕES DE FAMÍLIA

Não tenho celular, não uso e-mail. Vou conhecer as pessoas. Minha atitude vem da minha família. Minha mãe tinha uma loja de vestidos e meu pai era alfaiate.

Aprendi com minha mãe: deixe as pessoas falarem, não as interrompa. Com meu pai: o que é feito à mão é melhor que o feito com máquina.

PERSONAGENS

Nunca quis escrever sobre notícias do dia, o que os economistas ou políticos disseram hoje. Queria escrever notícias não importantes, mas escrevia tão bem que saía no jornal.

Quero escrever sobre pessoas que não estão nas notícias. Elas refletem a sociedade e quero ser o cronista de suas vidas. No "New York Times", fiz de tudo para ficar longe dos famosos. Sugeria um monte de desconhecidos, e o editor dizia: "Quem se interessa?". Eu me interesso.

AUTOMÓVEIS

Uma vez fiquei um ano e meio num assunto para escrever um livro. Foi entre 1980 e 1981, era sobre a indústria automobilística. Viajei com um diretor da Chrysler, frequentei reuniões, fui até Tóquio. Mas decidi que não queria mais. Seria muito sensacionalista.

Escrevi sobre mafiosos. Escrevi sobre pervertidos. Eu os respeito porque não estavam se escondendo; mas o pessoal do automóvel não era o que dizia ser. E expô-lo seria sensacionalista.

VENDEDOR

Uma reportagem começa na curiosidade. Você decide escrever sobre algo. Por quê? Porque te deixa curioso.

Aí, precisa achar alguém e propor que ele colabore. Como? Com técnicas refinadas de vendedor.

É como vender um aspirador. Se a pessoa já tiver, insista para ela tentar o seu.

Sou polido, não forço a barra. Acredito que o que vou escrever tem valor, não é superficial. Chego na pessoa com boas maneiras, estou sempre de terno e gravata, não importa se é o presidente ou lixeiro.

Aqui, por exemplo, está todo mundo mal vestido, mas não é meu problema (risos).

REPORTAGEM

Você diz à pessoa que ela tem uma história significativa e pergunta se ela pode colaborar. Se ele estiver ocupada e tiver que ir ao dentista, você pergunta se pode ir com ela. Eu procuro situações. É a arte de sair com as pessoas.

MÉTODO

Não faço anotações enquanto a pessoa fala. Escrevo o nome, o dia, o local. Depois, no hotel, peço a máquina de escrever emprestada e escrevo tudo.

FIM DO IMPRESSO

Quando entrei no jornalismo, aos 20 anos, diziam a mesma coisa, diziam que a televisão ia acabar com o jornalismo impresso. "Está tudo na tela, para que ler no dia seguinte?".

Não acredito que vá acabar. Mas tem que ser de boa qualidade. Bons textos vão sobreviver porque são bons.

Morar Mais chegando! É dia 6!

quarta-feira, 30 de maio de 2012

9º Festival das Flores começa amanhã em Cuiabá



Um perfume diferente chega ao centro de Cuiabá a partir do dia 31 de maio, quando começa o 9º Festival das Flores, na Praça Alencastro. Durante 11 dias, mais de 200 espécies de plantas vindas diretamente de Holambra (SP) serão vendidas a preços especiais, que chegam a ser até 70% menores se comparados ao mercado local. O evento é realizado pela instituição Casa da União Santa Luzia e parte do dinheiro arrecadado é aplicado no desenvolvimento de ações beneficentes.

A expectativa é de que mais de 150 mil pessoas passem pelo Festival este ano. O evento integra o calendário oficial do município de Cuiabá e ainda proporciona aos visitantes apresentações culturais, oficinas e palestras. Realizado desde 2004, o Festival das Flores tem encantado a população com plantas dos mais variados tipos, que chamam a atenção pelas cores, formas, aromas ou simplesmente por serem exóticas, como é o caso das plantas carnívoras.

Uma característica marcante do Festival é a participação de mais de 300 voluntários, que se revezam para atender com carinho e alegria as pessoas que passam pela Praça Alencastro das 9 às 21 horas. De acordo com o presidente da Casa da União Santa Luzia, Laerte Ferreira, o Festival já se tornou uma tradição em Cuiabá. “A população tem um carinho especial pelo evento e espera por ele todos os anos”, disse o presidente.


ACasa da União Santa Luzia é uma entidade beneficente criada em 25 de julho de 1993, pelo Centro Espírita Beneficente União do Vegetal. Localizada no bairro Parque Geórgia, em Cuiabá, a instituição recebeu o título de utilidade pública estadual em 2002. A Casa da União tem beneficiado moradores de diversos bairros de Cuiabá, Várzea Grande e também de cidades do interior de Mato Grosso, como Barra do Garças e Alta Floresta.

Entre as atividades desenvolvidas pela Casa da União Santa Luzia estão cursos para inclusão digital, capacitação profissional e a realização de eventos beneficentes com atendimento médico, orientação nutricional, atividades de lazer e cultura, doação de brinquedos, cestas básicas, entre outros. No entanto, o foco do trabalho social da Casa da União tem sido a alfabetização de jovens e adultos, feita por meio do projeto Luz do Saber.

Os recursos arrecadados com o Festival das Flores auxiliam a manter as atividades de beneficência da Casa da União e ainda possibilitam a criação de novas ações, para que cada vez mais pessoas possam ser beneficiadas. O Festival será realizado até o dia 10 de junho e mais informações estão disponíveis no blog do evento (http://festival-das-flores.blogspot.com/) e na página oficial no Facebook (www.facebook.com/festivaldasflorescuiaba).


Evento: 9º Festival das Flores de Cuiabá

Data: 31 de maio a 10 de junho de 2012

Local: Praça Alencastro, em frente à Prefeitura de Cuiabá

Horário: 9h às 21h

Assessoria de imprensa: Larissa Cavalcante – (65) 9249 3102

                                                 Zé Motta – (65) 8125 6739

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Traços de JP

JP é um menino de cinco anos, falante, adora passear e ir pra escola com botina e chapeu, é um cowboy mirim. Nos últimos meses ele tem mais uma qualidade: desenhista de todas as horas. Haja papel aqui em casa! Mas não me importo, deixo a resma ir embora, prefiro as criações do menino no lugar das folhas pálidas, brancas, sem vida. A preferência  é disparada pelos bois e fazendas. Mas, também começa a alçar voos por outros mundos e cores.



Para dar ainda mais vazão às invenções do garoto no último sábado o levei para a oficina de desenho no Sesc Arsenal ( o lugar mais lindo de Cuiabá). Ao falar do plano, ele saltou rápido, catou as folhas e o estojo. E lá se foi, saltitante!



Levou a sério o compromisso

E ainda aproveitou para ir no Espaço Lúdico... Não queria mais sair...

Não sei onde ele aprendeu, mas falava a toda hora matei o cavalo..rs...
Pra completar o passeio apareceu o papai!

Tranquilidade do espírito


domingo, 27 de maio de 2012

A arte da "fogueteira" Kathia

Multi, assim podemos definir a simpática empresária Kathia Ataya Mansur. Além de ser a tradicional "fogueteira" de Cuiabá há anos e anos, com sua empresa Fogos Caramuru, Kathia é uma artesã de primeira. Pintar em azulejos é sua especialidade, além de criar peças em vidro, para serem usadas na decoração. E a culinária também faz a cabeça da moça. Fiquei com água na boca de pensar nas delícias árabes preparadas por ela. Quer fazer peças em vidros, aplicar uma pintura em azulejo ou deixar seu evento cheio de luz? O contato com a Kathia Ataya pode ser feito pelos fones (65)3321.1726 e 9982.2678. Os e-mails são kathia.ataya@hotmail.com e caramurufogoseartes@hotmail.com.













quinta-feira, 24 de maio de 2012

Morar Mais abre portas no Dia Mundial do Meio Ambiente



Em virtude da forte chuva que caiu nesta madrugada durante mais de quatro horas em Cuiabá e da previsão meteorológica de mais chuvas nos próximos dias, a coordenação da Mostra Morar Mais por Menos que seria aberta ao público a partir do dia 25 de maio (sexta-feira) no Clube Dom Bosco foi adiada para o dia 5 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente.

A chuva danificou apenas o entorno do prédio do Clube Dom Bosco atingindo somente oito metros do muro construído há mais de 40 anos. Os 50 ambientes da Mostra Morar Mais por Menos idealizados por 70 profissionais não foram atingidos e estão prontos para receber o público.  No entanto, as chuvas previstas para os próximos dias poderiam prejudicar ambientes que estão localizados na área externa do Clube Dom Bosco.

Desde maio de 2011, quando foi assinado o contrato com a franquia nacional, mais de 500 profissionais, entre arquitetos, decoradores, artistas plásticos, empresários e funcionários internos trabalham ininterruptamente para fazer valer cada visita ao evento, que abre suas portas no dia 5 de junho.

O resultado promete ser compensatório não apenas pelo viés estético, com a reoxigenação de conceitos arquitetônicos para a população mato-grossense, mas também uma gratificação histórica e social para Cuiabá: inaugurado na década de 60 e inativo há mais de 30 anos, o Clube Dom Bosco passou por obras de revitalização para sediar o evento.

Agradecemos a compreensão e aguardamos a presença de todos no Clube Dom Bosco que a partir de 5 de junho volta a ser palco de encontros memoráveis.

Coordenação da Mostra Morar Por Menos

terça-feira, 22 de maio de 2012

Feijoada pra ajudar Apae da Chapada! Participe!

A Apae de Chapada dos Guimarães está precisando muito de nosso apoio. Passando por uma séria crise financeira a entidade corre risco de fechar. Por isso, nossa ajuda é fundamental. A sociedade chapadense prepara uma feijoada solidária para o próximo sábado, 26 de maio, no Lions Clube.
Cada ingresso custa R$ 30 e pode ser comprado nas lojas Tonon dos shoppings de Cuiabá ou na Casa de Festas. Outras informações pelo celular 9971.1841. 

Na feijoada o famoso e tradicional bloco carnavalesco da Chapada, Karuá, lança seu samba enredo 2013.

sábado, 19 de maio de 2012

Chá da Tarde

Ao primeiro sinal de frescor em Cuiabá a gente tem vontade de tomar chá, chocolate quente, sopa e ficar ao lado de pessoas queridas. Esta semana foi assim. Tenho o privilégio de ter ao lado da minha loja um cantinho charmoso chamado Viva Bem Melhor, onde se compra os melhores produtos naturais e orgânicos da cidade. Além disso, agora podemos reunir amigos pra um chá da tarde. Que delícia! O convite está feito.

O amigo Jonas Barros e a amiga Iramara tratando de negócios, tudo acompanhado com um chazinho dos deuses

Euzinha com miha linda amiga Iramara, companhia que amo demais!

Ira, Jonas e também Atani, uma das donas da Viva Bem Melhor, vizinha especial

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Dona Lola

Adoro passar em frente a uma casa bem cuiabana da Rua 24 de Outubro e ver uma moça na Janela. Ela se chama Lola, tem 85 anos, e uma história de vida ímpar. Seu olhar é meigo, o  jeito da mulher que jamais fugiu à luta, tipo Cora Coralina.  Suas palavras sábias tocam minha alma e alimentam meu dia. Dona Lola é mãe do artista plástico Jonas Barros, o caçula da família e filho inseparável da menina. Dona Lola, orgulho de todos nós!

Eunice Sousa e dona Lola

Dona Lola é aconchego pra mim

quarta-feira, 16 de maio de 2012

segunda-feira, 14 de maio de 2012

"Minha mãe está construindo"

Ontem foi o Dia das Mães mais atípico pra mim. Não passei o dia todo com meus filhotes. A intenção era tomar café da manhã juntos, mas ao ver os dois anjos dormindo morri de pena e deixei. Fui para a obra da Janela no Morar Mais Por Menos, no Clube Dom Bosco.

Por volta das nove horas a surpresa: meu companheiro levou as duas crias para me ver e cada um com um presentinho fofo. Um deles pra me deixar mais cheirosa e outro pra me enfeitar (acertaram direitinho).

Fiquei super emocionada com o gesto. Mas confesso que passei o dia todinho com aquela sensação de faltar algo, um misto de culpa, um sentimento estranho. Toda vez que a dupla vinha em minha mente me autoconsolei em silêncio.

Hoje minha sobrinha comadre Andréi contou que o boiadeiro João Pedro disse pra ela ontem que  não fui pra Chapada porque "eu estava construindo". Ou seja, o menino  sacou toda a movimentação e sabe exatamente porque a mãe anda ausente nos últimos dias.

Pois é, filhotes, mamãe perde desculpas pela ausência, mas minha correria é por uma causa nobre: a construção coletiva de um sonho ligado ao artesanato, ao feito à mão, onde está em questão o desejo e sonho de pessoas nobres, muito especiais. Essa é outra faceta da mamãe, o sonho de construir  junto, agregando pessoas, compartilhando, aprendendo. Um dia vão entender melhor essa roda da vida!






sexta-feira, 11 de maio de 2012

Se este pé de manga falasse...

Deste pé de manga colhi os mais doces frutos. Embaixo dele  sonhei, planejei, vivi. Após tantos anos, parece que foi ontem. Oh tempo bom, que não volta mais...





quinta-feira, 10 de maio de 2012

Sou uma flor!

Acabo de ganhar o primeiro presente do Dia das Mães: uma flor pintada pelo meu filhote João Pedro, de cinco anos. Engraçado como ele desenhou meu cabelo, achei bem semelhante. Como achei a carinha da flor meio triste perguntei pra ele se a mamãe estava triste no desenho. Rapidamente o gatinho respondeu: "Não, você tá feliz". Ainda bem! Na simplicidade da vida encontro meu equilíbrio.



quarta-feira, 9 de maio de 2012

Neide Galindo: Costureira até no pé!

A artesã Neide Galindo é uma sumidade do patchwork cuiabano. As peças dela são diferenciadas, de um capricho, acabamento e combinação de cores impecáveis. Meu coração pula forte  todas as vezes que ela leva suas novas criações na Janela. É um deleite. 

Nesta terça a artesã entregou as primeiras peças feitas exclusivamente para o Morar Mais Cuiabá. Aí, além de me encantar com tudo, me atentei para dois detalhes: no pescoço Neide carrega uma máquina de costura, tesoura e alfinte. E até nos pés ela prova o amor pela arte dos tecidos, botões e linhas. Quer comprovar? Espia as fotos abaixo,






segunda-feira, 7 de maio de 2012

Simples, como a vida deve ser

Fiquei muittttttto honrada em ser notícia no www.novamesa.com.br, da amiga gestora gastronômica Luciana Leite. A matéria ficou tão linda, acho que fui elogiada até demais, mas, claro que amei!

Meu agradecimento especial ao fotógrafo Siqueira, à amiga maquiadora Iramara, à Luciana Leite, minha guru da cozinha, à minha Janela pelo cenário, às bordadeiras da Chapada pelo lindo avental. À minha cunhada Lurdinha, acho que ela nem se lembra, mas há trinta anos peguei a receita do bolo de fubá de um caderno dela e adaptei com o passar dos anos.

Aqui a matéria disponível:


Toque Pessoal
Simples, como a vida deve ser


Uma mineira de alma cuiabana. Dona de um sorriso ímpar e de uma felicidade sem fim. Assim é Creuza Medeiros. Da vida simples na fazenda, no interior de Minas Gerais, ela traz no coração o jeito despojado de viver. Radialista, jornalista e blogueira, Creuza hoje desvenda os segredos do mundo empresarial. Junto com a amiga Márcia Andreola, elas comandam a Janela Arte Presente, uma loja dedicada a mostrar as belezas desse nosso país, através do artesanato, acessórios e utilidades.
Creuza Medeiros com a amiga Liara Buzetti
Um lugar de encontro de amigos. Aliás, os amigos são muitos. Ela adora estar rodeada de gente feliz. E, lógico que toda essa alegria radiante, Creuza leva para sua cozinha. De lá saem pratos para relembrar os tempos de menina, ao redor das panelas da mãe Maria Isaura.
Dona de uma praticidade invejável, ela contempla ingredientes simples, com toque de sofisticação, porém de preparo rápido. Como não poderia deixar de ser, Creuza recebeu Nova Mesa com um delicioso bolo de fubá. Receita de família, que ela guarda desde os 10 anos. Ela aprimorou os ingredientes e hoje é sua marca registrada, tanto que batizou com seu nome. Anote a receita e prepare nesse final de semana, ao som de Gonzaguinha: “Viver e não ter a vergonha de ser feliz”, pois este é o mantra de Creuza Medeiros.

Bolo de Fubá da Creuza

Ingredientes:

2 copos (americanos) de leite/ 2 copos (americanos) de fubá/ 1 ½ copo (americano) de açúcar (pode colocar um pouquinho mais)/ ½ copo (americano) de óleo / 1 pitada de sal/ 5 ovos / 1 colher (sopa) de fermento em pó
Modo de Fazer: Em uma panela, misture o fubá, o leite, o açúcar e o óleo, mexa bem e leve ao fogo, mexendo sempre até formar um mingau. Retire do fogo e deixe esse mingau esfriar. Em seguida, acrescente os ovos, o fermento em pó e o sal, mexendo superficialmente, apenas para incorporar os ingredientes. Leve para assar em forma untada, com o forno quente. Assim que o bolo crescer, abaixe o fogo e deixe o bolo ficar bem corado.